O último resistente Europeu

A muito pouco solidária Europa continua a observar em silêncio a conquista do “espaço vital” da Imperatriz Angela Merkel.  A todos os países que cruzam os braços por vergonha dos seus semelhantes, eu dedico esta minha adaptação do famoso poema de Martin Niemoller, que curiosamente se tornou, nos últimos tempos, tremendamente actual:

Primeiro resgataram a Grécia,
e eu cruzei os braços, porque não era grego.
Depois resgataram a Irlanda,
e eu cruzei os braços, porque não era irlandês.
A seguir resgataram Portugal,
e eu cruzei os braços, porque não era português.
De seguida resgataram a Espanha,
e eu cruzei os braços, porque não era espanhol.

Por fim resgataram-me a mim,
E já não existia ninguém para me defender…

Merkel vai anexando país atrás de país, com mais eficiência e rapidez, do que Hitler alguma vez conseguiu.

Quando a Europa acordar, arrisca-se a encontrar a fria bandeira alemã como único lençol…

Quando a Europa acordar, o seu nome será Reich…

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s